Grana curta? É possível se divertir em São Paulo sem gastar

Início de ano é sempre complicado. Além das despesas mensais, esse período ainda reserva contas extras como IPTU, IPVA, matrículas de cursos e compra de material escolar para quem tem filhos. E essas despesas extras acabam nos deixando sem dinheiro, restando poucas opções para o final de semana, como a piscina do vizinho, um filme no Netflix ou uma caminhada no parque. Certo?! Não.

Em São Paulo, a falta de dinheiro não é sinônimo de escassez de diversão e cultura. Com muito pouco ou nada é possível assistir peças incríveis, filmes, concertos de música clássica e até aprender a cozinhar. Pensando nisso, preparei uma lista com cinco programas “top” que fiz na cidade, sem gastar um centavo:

1) MUSICAL “O HOMEM DE LA MANCHA” NO SESI-SP Inspirada em Don Quixote, de Cervantes, essa adaptação feita por Miguel Falabella, oferece uma encenação original e surpreendente. É ambientada em um manicômio brasileiro do final dos anos 30, com muitas referências da obra do Bispo do Rosário – artista plástico que ficou internado 50 anos em um hospício. Incrível!

Teatro do Sesi-SP: Avenida Paulista, 1313. Horário: Quartas, quintas e sextas às 21h. Sábados às 17h e às 21h. Domingos às 15h e às 19h. Até dia 28/06. É possível fazer a reserva online pelo site www.sesisp.org.br/meu-sesi ou tentar um dos 50 ingressos distribuídos no dia. Para isso, chegue 2h antes da bilheteria abrir.

2) TEATRO ÀS TERÇAS NO ITAÚ CULTURAL Desde o início desse mês, está em cartaz o programa Terça Tem Teatro, promovido pelo Itaú Cultural. Consiste em uma série de espetáculos teatrais, todos eles apresentados às terças-feiras, como o próprio nome sugere. A estreia aconteceu no dia 3 de fevereiro com Chorinho. No dia 10, foi apresentado Verbo, de Cássio Pires e no dia 24, será apresentado Cine Monstro, de Daniel MacIvor. Todas as peças são gratuitas e começam às 20h.

Terça Tem Teatro: 24 de fevereiro de 2015, às 20h, na Sala Itaú Cultural (Av. Paulista, 149). Distribuição de ingressos 30 minutos antes do início do espetáculo.

3) CONCERTOS NA SALA SÃO PAULO A Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo inicia neste mês a programação da série Concertos Matinais, com apresentações aos domingos, às 11h. É a oportunidade de conferir diferentes repertórios clássicos em um ambiente que reúne sofisticação com o charme do centro “velho” da cidade. E tudo isso sem gastar um centavo. O primeiro concerto, no domingo (22), fica a cargo da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, sob o comando do regente Marcos Sadao Shirakawa. Vale lembrar que os ingressos são disputados. Começam a ser distribuídos na bilheteria da Sala São Paulo, na segunda-feira anterior, limitados a quatro por pessoa – a partir de cinco ingressos, é cobrado o valor simbólico de R$2,00 -, e geralmente se esgotam no mesmo dia.

Sala São Paulo: Praça Júlio Prestes, nº 16 – centro. Domingos, às 11h.

4) CURSO DE CULINÁRIA DA BARILLA Se você é um desastre na cozinha, saiba que existe um curso aqui em São Paulo que pode te ajudar a mudar essa triste realidade. E o melhor: é de graça! A Barilla, maior fabricante de massas do mundo, oferece há 4 meses, um curso com o chef Paulo Turziani, onde ele ensina receitas simples e deliciosas com as massas vendidas pela empresa. A inscrição é feita pelo próprio site da Barilla e a aula, ministrada na cozinha da empresa, ainda dá direito a avental e chapéu de chef. É recomendado a todos que apreciam a culinária italiana e também aqueles que, como eu, chegaram aos 20 anos, sem ter aprendido o básico.

Espaço Esperienza Barilla: Alameda Vicente Pinzon, 144 – 6º andar – Vila Olímpia, São Paulo (SP). A inscrição é feita pelo site da empresa: http://www.barilla.com.br. Em fevereiro, o chef Paulo Turziani sairá de férias, mas em março, ele estará de volta com novas receitas. Fique atento ao calendário, pois é suuuuuper concorrido.foto4

5) DANÇA, MÚSICA E TEATRO NO MINHOCÃO Uma opção bem legal (e gratuita!) para o final de semana é o espetáculo Esparrama Amigos pela Janela, novo projeto do Grupo Esparrama. Como o próprio nome sugere, consiste em uma série de intervenções artísticas (interpretação, dança, música, teatro…) usando como palco, a janela de um edifício. O edifício em questão fica na rua Amaral Gurgel, de frente para o Minhocão. O projeto configura, portanto, uma das poucas iniciativas artísticas a ocupar o Elevado Costa e Silva regularmente. A próxima apresentação, no domingo (22), fica a cargo do Circo do Ronaldo Aguiar. Simples, lúdico e bem divertido! Vale a pena conferir!

Esparrama Amigos pela Janela: Elevado Costa e Silva, entre os acessos Consolação e Santa Cecília, região central. Domingo, dia 22/02, às 16h. Duração: 45 minutos.04-copy

Matéria publicada no São Paulo Times, dia 12.02.15.

Um lugar em São Paulo que não vai deixar você esquecer o que foi a repressão política no Brasil

IMG_1476Dia desses, saiu uma lista no site BuzzFeed com 30 lugares deslumbrantes em São Paulo que fariam você se sentir um turista. Já conhecia alguns, mas a maioria eu nunca sequer tinha ouvido falar. E olha que eu exploro! Poderia usar como desculpa o fato de não ter nascido aqui, mas infelizmente, esse argumento não é válido. Já moro aqui há tempo suficiente para conhecer ou ao menos, ter uma vaga ideia de sua existência. Acho que o problema mesmo, na maioria dos casos, é a falta de divulgação.

Decidi então escolher um lugar para conhecer e, no último final de semana, tive a grata surpresa de visitar esse museu tão pouco lembrado pelos nativos mas, nem por isso, menos importante: o Memorial da Resistência de São Paulo. Fica no bairro da Luz, pertinho do Jardim da Luz, da Pinacoteca e do Museu da Língua. É, portanto, um lugar de fácil acesso e incrivelmente pouco conhecido. E olha que o prédio tem história.

Foi inaugurado em 1914 para abrigar os escritórios e armazéns da Companhia Estrada de Ferro Sorocabana. A partir de 1938, sofreu várias reformas e passou a sediar diversas delegacias vinculadas ao Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo; o Deops/SP. Até 1983, foi um importante órgão de repressão do Estado monitorando as atividades de pessoas e grupos considerados potencialmente perigosos à ordem vigente.

Portanto, nos espaços hoje dedicados a exposições e instalações, muita gente morreu e foi torturada. As suas celas foram mantidas com o intuito de preservar a memória da resistência e da repressão políticas no Brasil. A primeira delas fala sobre o processo de implantação do Memorial da Resistência; a segunda cela presta uma homenagem aos milhares de presos desaparecidos e mortos, em decorrência das ações do Deops/SP, através de uma instalação artística feita com máscaras; a terceira é uma reprodução impecável de uma cela com registros espalhados pelas paredes – nomes, mensagens de despedida e desabafo – e a quarta cela oferece uma leitura da solidariedade entre os que estiveram encarcerados a partir de relatos transmitidos via fones de ouvido. Tudo muito emocionante.IMG_1473IMG_1484IMG_1478IMG_1491IMG_1486

Além da exposição permanente sobre a repressão militar no Brasil, o Memorial da Resistência abriga exposições temporárias sempre relacionadas à temática justiça/repressão/resistência. Atualmente, é possível conferir a expo “119” realizada pelo artista chileno Cristian Kirby. O trabalho apresenta o caso da “Lista dos 119”, ocorrido durante a ditadura chilena. Visando desqualificar as organizações opositoras, uma operação movida pelo governo chileno e com o apoio da imprensa, culminou com a publicação de duas listas em 1975, uma no Brasil e outra na Argentina, com os nomes de pessoas que estavam desaparecidas. As manchetes falsas anunciavam que haviam se matado umas às outras, como ratos. Vale a pena conferir! Até 18 de março.

IMG_1506

Memorial da Resistência de São Paulo: Largo General Osório, 66 – Luz.

Matéria publicada no São Paulo Times, dia 05.02.15.

Aprenda a cozinhar em duas horas com o curso da Barilla

foto3

Morar sozinha não é tarefa fácil. Tem lá suas vantagens, mas na hora de ir pra cozinha preparar uma refeição, bate uma saudade incrível dos tempos em que o jantar se materializava como num toque de mágica, juntamente com a louça limpa e organizada. Ah, bons tempos aqueles…

Passados três anos do grito de independência, muita coisa mudou. Até os meus 26 anos, não tinha familiaridade alguma com as panelas e apenas uma vaga ideia de como ligar um forno. Hoje, sou capaz de descascar legumes – até com certa maestria -, fritar ovos, untar assadeiras e temperar saladas. Sim, falta muito para eu ser aceita no MasterChef, mas para uma vida mais saudável, econômica e independente, o primeiro passo já foi dado.

O interesse é o ponto de partida. A partir daí, basta ir atrás dos 500 mil blogs sobre gastronomia e dos 300 mil programas de culinária transmitidos hoje pela TV. É muita gente disposta a ensinar e compartilhar tudo o que sabe. Ufa! Ainda bem, né?! Já no plano real, longe das telas e dos smartphones, é possível assistir – e gratuitamente! – aos cursos de culinária da Barilla. A maior fabricante de massas do mundo oferece, há 4 meses, um curso com o chef Paulo Turziani, onde ele ensina receitas simples e deliciosas com as massas vendidas pela empresa.

foto4

A inscrição é feita pelo próprio site da Barilla e a aula, ministrada em duas horas, consiste em ensinar dicas úteis através de duas receitas. Ou seja, além de conhecer um pouquinho sobre essa marca centenária, você ainda aprende que o molho a bolonhesa tal como conhecemos é, na realidade, uma adaptação da receita original feita com leite, vinho, carne bovina e suína. Você também aprende que a pimenta dedo de moça sem as sementes e bem picadinha é um ótimo tempero e que o pimentão sem casca e a berinjela assada são ótimas opções de molho para uma massa do tipo “Integrale”.

O curso é realizado na cozinha da Barilla, com direito a avental e chapéu de chef (inclusos no kit distribuído aos participantes). É recomendado a todos que apreciam a culinária italiana e também aqueles que, como eu, chegaram aos 20 anos, sem ter aprendido o básico. Com essas duas receitas simples, é possível incrementar o cardápio, sem precisar recorrer a comida congelada ou a restaurantes todos os dias.

foto2

foto1OBS: Os pratos ensinados no dia em que participei foram: (1) Pennette Integrale com creme de berinjela, tomatinhos confit e lascas de amêndoas e (2) Spaghetti integrale com pesto de pimentos. Difícil dizer qual foi o melhor.

Espaço Esperienza Barilla: Alameda Vicente Pinzon, 144 – 6º andar – Vila Olímpia, São Paulo (SP). A inscrição é feita pelo site da empresa: http://www.barilla.com.br. Em fevereiro, o chef Paulo Turziani sairá de férias, mas em março, ele estará de volta com novas receitas. Fique atento ao calendário, pois é super concorrido.

Matéria publicada no São Paulo Times, dia 29.01.15.

Comer, rezar e amar… em São Paulo!

Há 15 anos, a jornalista americana Elizabeth Gilbert decidiu que era hora de se conhecer depois de enfrentar um divórcio dolorido. Em busca de novos significados e autoconhecimento, ela largou o emprego e partiu para uma viagem de um ano de duração, sozinha, com o objetivo de examinar alguns aspectos de sua própria natureza.

Na Itália, Liz descobriu o verdadeiro prazer da gastronomia; o comer sem medo das calorias. Na Índia, ela aprendeu a rezar, a meditar e a perdoar alguns erros e atitudes até então consideradas erradas. E na Indonésia, ela exercitou o equilíbrio entre o prazer mundano e a transcendência divina, aprendendo a se amar e a se deixar amar.

Como nem todo mundo pode largar tudo para tirar um ano sabático, decidi montar esse pequeno roteiro por São Paulo, contemplando as três etapas da peregrinação que a autora de “Comer, Rezar, Amar” impôs a si mesma. É, portanto, um guia de lugares para você, assim como a Liz, refletir sobre a vida e traçar novos objetivos, sem gastar uma fortuna se deslocando até o outro lado do mundo.

PARTE I: COMER

Por conta do café e das muitas oportunidades de trabalho criadas com a expansão da lavoura no século XIX, muitos imigrantes, em grande parte da Itália, desembarcaram na capital paulista (Estação do Brás). Embora a maioria continuasse a viagem para o interior do estado, muitos ficavam, iam se instalando e abrindo seus pequenos negócios. Isso fez de São Paulo uma das maiores e mais importantes comunidades italianas do mundo e por isso, não faltam cantinas, pizzarias e sorveterias por aqui. Nessa primeira etapa da “viagem”, faça como a Liz: deixe a ditadura da magreza de lado e permita-se comer sem culpa em São Paulo. É só uma fase.

• PIZZARIA SPERANZA – Essa pizzaria é obra do talento e disposição de uma família de Nápoles (sul da Itália) que chegou a São Paulo no final dos anos 50. Seo Francesco Tarallo e Dona Speranza trouxeram na bagagem várias receitas, elaboradas no dia a dia da família. Começaram em uma pequena instalação para um pequeno público, e em pouco tempo se mudaram para o endereço que estão até hoje, na Rua 13 de Maio. Em 1979, nasceu a segunda unidade, em Moema. A pizza da Speranza está entre as melhores que comi até hoje! Endereço: Rua 13 de Maio, 1004 – Bixiga /Av. Sabiá, 786 – Moema.

• CANTINA MONTECHIARO – Fundada em 1974 por um filho de italianos, a Montechiaro mantém no cardápio cerca de 300 pratos. O mais famoso entre eles é a perna de cabrito, seguido do fusilli ao molho de tomate e calabresa. A decoração do lugar recria um lar italiano com dois salões amplos em formato de arco. Endereço: Rua Santo Antônio, 844/846 – Bela Vista.

• SORVETERIA DRI DRI – A matriz dessa sorveteria encontra-se em Londres, mas foi em Capri que o dono italiano buscou inspiração. Aqui, em São Paulo, ela foi trazida por dois franceses (eita, globalização!) depois do sucesso obtido em Londres. Esse sucesso todo deve-se ao fato de seus gelatos serem mais magros (têm até 6% de gordura) e de seus ingredientes serem todos premium: as amêndoas vêm da região de Puglia, a baunilha é de Madagascar e o Pistache é comprado na Sicília. É o que garante seus donos. Os gelatos são fabricados diariamente e sem conservantes. Endereço: Rua Padre João Manoel, 903 – Jardim Paulista / Cidade Jardim Shopping.

• RISTORANTE TAORMINA – Esse restaurante italiano é um dos poucos da cidade dedicado fortemente às receitas da Sicília. Além de antepastos como berinjela à parmegiana e as famosas massas, nesse estabelecimento também é servido o famoso cannoli de sobremesa; tubinho recheado tipicamente siciliano. Endereço: Alameda Itu, 251 – Jardim Paulista.

• TRATTORIA LELLIS – Assim como tantos outros aqui em SP, essa trattoria foi fundada por neto de italianos. Funciona desde 1981 e sempre foi sinônimo de sucesso. Sua decoração lembra uma típica casa italiana e suas massas são servidas em porções fartas, com bastante molho. No cardápio, destaque para o rondeli, com recheio de uvas passas, nozes e ricota, e o canelonni verde, que leva salmão e ricota. Há também opções de risotos, sopas, frutos do mar e carnes; o famoso filleto à parmegiana está presente entre as opções de carnes. Endereço: Rua Bela Cintra, 1.879 – Consolação.

PARTE II: REZAR

Na Índia, Liz se dedicou à arte da devoção e, com a ajuda de uma Guru, embarcou em quatro meses de contínua exploração espiritual. Mediante algumas técnicas como a meditação e a entoação de cânticos, ela conseguiu finalmente estabelecer uma conexão com Deus. A apenas 30 km da Pauliceia, na cidade de Cotia (SP), é também possível desapegar-se da rotina, se isolando em retiros de yoga, meditação e silêncio nos templos Odsal Ling e Zu Lai. Os dois possuem restaurante de comida vegetariana, base da dieta de Liz nessa fase da viagem.

• TEMPLO ZU LAI – É o maior da América do Sul e faz você se sentir em um cenário de um filme oriental. Seu projeto foi inspirado no estilo arquitetônico oriental dos palácios da Dinastia Tang e foi desenvolvido em conjunto por arquitetos chineses, taiwaneses, japoneses e brasileiros. As obras foram concluídas em outubro de 2003, e desde então o templo se dedica a solidificar e nacionalizar os princípios do Budismo no Brasil. Logo na entrada, Budas e Arhats dão as boas-vindas aos visitantes. Endereço: Estrada Municipal Fernando Nobre, 1.461 (Km 28,5 da Rodovia Raposo Tavares). Se interessou? Clique aqui e veja mais detalhes desse templo.

• TEMPLO ODSAL LING – O terreno foi comprado em 2001, no alto de uma colina, graças a generosidade de alunos da sanga do Chagdud Gonpa espalhados por todo o mundo. Hoje, consiste em um exemplar autêntico da arquitetura tibetana, com riqueza de cores e ornamentos. Algo impensável de se ver em terras brasileiras. Endereço: Rua dos Agrimensores, 1.461 – Cotia (SP). Se interessou? Clique aqui e veja mais detalhes desse templo.

PARTE III: AMAR

Liz finalmente parte para a Indonésia, sua última parada nessa viagem em busca de si mesma. E é em Bali que ela vai encontrar, além de conhecimento e novos amigos, o amor e a paz que tanto buscou. Não sei se foi destino ou sorte que fez com que ela conhecesse um cara legal em Bali (e brasileiro!). Mas a única certeza que tenho é a de que ficar em casa – com tanto lugar legal – não é a melhor das opções quando o seu intuito é conhecer gente bacana e interessante. São Paulo possui mais de 2.000 casas noturnas, 15 mil bares e 13 mil restaurantes. É claro que tudo vai depender do seu perfil.

• PARQUE DO IBIRAPUERA – Ficar em forma e ganhar condicionamento são motivos que levam muita gente a pular da cama e calçar um par de tênis. Mas, para alguns solteiros, o motivo está justamente nos corredores. Além do clima agradável, esse parque está cheio de gente bonita, atlética e simpática. Quer mais motivos para começar aquela caminhada tão adiada??? Endereço: Avenida Pedro Álvares Cabral – Vila Mariana.

• BAR BLÁ – Confesso nunca ter ido, mas algumas amigas garantem que só tem gente bonita e que o clima de azaração nesse bar é forte. Bom, é só uma ideia. Endereço: Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 5.003 – Jardim Paulista.

• VILA MADALENA – Os bairros de Pinheiros e Vila Madalena têm opções incríveis para os baladeiros de plantão. Experimente o Bar Secreto (Rua Álvaro Anes, 97 – Pinheiros), o SubAstor (Rua Delfina, 163 – Vila Madalena) e a Mercearia São Pedro (Rua Rodésia, 34 – Vila Madalena). Quem frequenta garante que dá para se divertir e conhecer gente legal.

Matéria publicada no São Paulo Times, dia 22.01.15.

Retiro express em templo tibetano

foto1

Apesar de amar viver em São Paulo, preciso confessar que às vezes, fico um pouco desanimada com o ritmo de vida que ela exige. Ter a vida – casa, faculdade e trabalho – resolvida num raio de 25 km é um luxo do qual poucos dispõem. Trabalhar num esquema “home office” também está fora de cogitação para 99,99% das pessoas. Portanto, acredito que para compensar essa vida a toque de caixa, repleta de congestionamentos, filas, metas e compromissos inadiáveis – enfim, uma rotina que assusta -, é preciso tornar o final de semana um momento sagrado e tranquilo.

Buscar a paz interior em um templo budista implicaria um ano sabático, uma grande viagem de peregrinação – até a China, Tibete ou Camboja – um orçamento pra lá de generoso e claro, que você renunciasse a essa vida caótica da qual, no fundo, você tanto curte. Mas, uma vez estando em São Paulo, é possível ir em um final de semana.

A apenas 30 km da Pauliceia, na cidade de Cotia (SP), é possível desapegar-se da rotina, se isolando em retiros express de yoga, meditação e silêncio no Templo Odsal Ling. O terreno foi comprado em 2001, no alto de uma colina, graças a generosidade de alunos da sanga do Chagdud Gonpa espalhados por todo o mundo. Hoje, consiste em um exemplar autêntico da arquitetura tibetana, com riqueza de cores e ornamentos. Algo impensável de se ver em terras brasileiras.foto7 foto4 foto3

Difícil é não cair no lugar comum de chamar o local de “surreal”. Ele chama a atenção dos visitantes já na entrada, graças a sua arquitetura de estupas – o famoso pagode, tão comum no oriente – e também pela tranquilidade daqueles que habitam suas dependências.

Além do silêncio magistral, o templo possui um colorido intenso e harmônico, composto de estátuas, mandalas, lamparinas, preces e rodas de oração (cilindros rotatórios). É possível aprender um pouquinho sobre os ensinamentos do Budismo com os guias locais, comer em um restaurante vegetariano, fazer uma aula de yoga (veja datas e horários) e até meditar. É, portanto, um ótimo lugar para relaxar, renovar as energias e começar bem 2015.

foto2 foto6

Templo Odsal Ling: Rua dos Agrimensores, 1.461 – Cotia (SP) / Fone: (11) 4703-4099 e 3885-3945.

Matéria publicada no São Paulo Times, dia 08.01.15.

Natal à la française

10155534_408013312679663_7727816935083339041_n

Dia desses, fui convidada para conhecer a filial paulistana da Paradis, boutique francesa de doces recém inaugurada. A loja que possui cinco filiais no Rio é famosa entre os cariocas por seus macarons feitos a partir de ingredientes brasileiros, como brigadeiro, caipirinha e beijinho de coco.

Já era fã da loja e depois da visita à filial paulistana, fiquei ainda mais apaixonada. Tive a oportunidade de experimentar alguns macarons que não conhecia (são 21 sabores), além de outros clássicos da patisserie francesa, como a mademoiselle (bombom de marshmallow) e o Mon Chou! Tudo uma delícia!

O Mon Chou, mais conhecido como o brigadeiro francês, é um docinho pequeno com massa fofa e ganache em seu interior. Na Paradis, ele ainda leva uma fina casquinha decorativa de chocolate em cima. Disputa espaço na vitrine com os famosos macarons e por isso mesmo, é praticamente impossível passar em frente e não delirar.

10676136_408013306012997_7761531344539243147_n

Na loja, há embalagens para presente, o que é ótimo nessa época do ano, além de versões francesas das iguarias natalinas. Um exemplo? Experimente então o chocotone com macarons. Quer algo mais francês que isso???

E é nesse clima natalino que me despeço. Um feliz natal a todos e um ótimo começo de ano novo! À la française, claro!

10425062_408013352679659_1301618277111347957_n 10629652_408013376012990_2717453203882579316_n

Paradis: Rua Haddock Lobo, 1380.

Matéria publicada no São Paulo Times, dia 18.12.14.

Um parque com 22 jardins

09b

Campos do Jordão é famosa pela temporada de inverno, quando diversos turistas vão até lá para curtir o frio. Mas é importante lembrar que a cidade oferece outras boas razões, além da badalação dos bares, dos chocolates e dos fondues, para ser visitada durante os 12 meses do ano. E o Amantikir é uma dessas razões.

Imagine um parque com 22 jardins inspirados em estilos paisagísticos de várias partes do mundo. Imaginou? Some isso a 800 espécies de plantas e também a um cenário pra lá de privilegiado em plena serra de araucárias e manacás. E aí, conseguiu? O Amantikir é tudo isso e mais um pouco. Um lugar de contemplação, tranquilidade, sossego e com algumas atrações até bem divertidas.

Em meio as lindas paisagens contemplativas, o parque oferece desafiantes surpresas aos seus visitantes, como um labirinto de arbustos e um caminho tortuoso feito na grama. É, portanto, um ótimo programa para ser curtido com a família, a dois e até mesmo sozinho. Por que não?!

Dizem que a cada estação do ano, ele oferece um espetáculo diferente. No verão, as flores costumam estar mais exuberantes e no outono, a folhagem ganha tons quentes. Assim sendo, não deixe pra ir ao Amantikir só no inverno.

03b 04b 05b 10bAmantikir Garden: Rodovia Campos do Jordão Eugênio Lefreve, 215.

Matéria publicada no São Paulo Times, dia 11.12.14.